Curiosidade | Uma Breve História sobre o Humor Brasileiro



Passando do rádio a internet, o humor no brasil sempre foi um meio de entretenimento propagado pelas diferentes mídias que buscam cativar o público através do riso. Mas com o passar do tempo os estilos vem evoluindo e se tornando muito comum no consumo de entretenimento.

 

De início a produção humorística girava em torno de sátiras teatrais, obras literárias e charges que podiam ser impressas em folhetins ou jornais. O estilo de humor era mais ácido e visava satirizar o cotidiano e o contexto político. Mas, apesar de estes os serem primeiros meios de consumo, o rádio foi o veículo que proporcionou um impulso maior para a popularização do entretenimento humorístico, tendo início em 1931 com um programa chamado “Manezinho e Quintanilha”. A criação dos personagens dentro das produções radialistas foi um recurso muito bem utilizado nesta mídia, que combinou as vozes singulares dos locutores com suas personas, e isso ajudava a prender a atenção dos ouvintes e em torná-los carismáticos ao público. De início os programas de humor utilizavam os esquetes, pequenas paródias e sátiras do cotidiano as vezes com o objetivo de entreter, em outras para criticar, e como marco destes programas o “PRK-30” se destaca pois, utilizava a espontaneidade do ambiente desorganizado, e a narrativa de novelas com um tom bem informal e repleto de maneirismos.

 

Com a televisão começando a se popularizar, na década de 1950 os programas humorísticos começaram a ganhar espaço nessa nova mídia. Muitos dos clássicos apresentados estrearam ou foram inspirações nos nas produções radialistas que eram adaptados para o formato televisivo. Os programas por muito tempo seguiram essas inspirações, e de início possuíam uma estrutura criada ainda em cima de esquetes, com ambientações simples limitada a um cômodo, uma praça ou uma escola, com um ou mais personagens caricatos, em algum acontecimento cotidiano soltando seus bordões junto com suas piadas, sendo que muitas vezes estes esquetes se aproximavam do formato sitcom. Essas produções televisivas eternizaram os grandes nomes do humor brasileiro, como Chico Anysio, Ronald Golias entre outros.  Mais à frente o molde deixou de ser a sátira para ser a paródia, que buscava criticar e autocriticar as produções televisivas, trazendo novidades como a TV pirata que posteriormente irá influenciar outros programas como o caceta e Planeta.

 

O humor de personagens e sátiras é uma herança que foi muito propagada com a evolução das mídias, e começou a ser “substituída” pelo jornalismo humorístico e por programas de entrevistas mais descontraídos que buscavam influências do formato stand-up comedy. Alguns artistas já se apresentavam com um estilo muito próximo ao formato comedy, na década de 60 como José Vasconcellos, e mais a frente outros nomes conhecidos como Jô Soares e Fausto Silva (Apresentação no show de Calouros do Silvio Santos). Entretanto nos anos 2000 o Stand-up passa a ser levado aos teatros e bares por novos humoristas (Bruno Motta, Danilo Gentilli, Rafinha Bastos e outros nomes) e logo vai se popularizando na televisão e posteriormente na internet. Por sua informalidade e o retrato do cotidiano do comediante, as vezes torna-se fácil, afeiçoar-se a este tipo de humor.

 

Hoje a internet é a mídia que proporciona uma evolução e até mesmo criação de novos estilos de humor, já que, muitas discussões acerca do entretenimento humorístico constantemente são colocadas em pauta. Independentemente do que é produzido o humor faz parte da identidade nacional, e deve ser tanto reconhecida, como apreciada.