Sessão Netflix | Re:Mind - Série Japonesa



Re:Mind, Uma série japonesa, criada por Yasushi Akimoto e dirigida por Akira Uchikata, Yusuke Ishida, Yūsuke Koroyasu e Go Furukawa, foi televisionada na TV Tokyo entre outubro e dezembro de 2017 e está disponível na Netflix desde fevereiro de 2018. Com o gênero de drama e suspense, a história conta com 12 personagens principais e um cenário exclusivo, onde mais de 80% da série se passa.

Em suma, por vingança, 11 garotas foram sequestradas e presas em uma sala abarrotada de coisas assustadoras, com um livro em destaque: ‘I Guess Everything Reminds You of Something’ (Eu acho que tudo te lembra de alguma coisa, tradução livre), de Ernest Hemingway. Todas elas têm o dever de se lembrar de um ato errôneo e pedir desculpas, com a esperança de escapar daquela sala com vida.

O enredo envolve ligações inteligentes entre várias versões dos mesmos acontecimentos, mostrando-nos que a vida não tem apenas uma face e que todas as nossas ações têm consequências, as quais não podemos medir previamente. Cada minuto é desvendada uma parte diferente da história, muitas vezes surpreendendo ao telespectador.

Um ponto interessante na série é a personalidade diversificada das personagens. Por exemplo, Memi é muito diferente de sua amiga Ayaka, citando apenas os primeiros nomes.

Admito que comecei cliquei para assistir à série porque a imagem de capa chamou-me a atenção. Logo no primeiro episódio, a história prendeu-me de maneira interessante. Minha vontade era maratonar tudo de uma vez só, já que são apenas 12 episódios (mais um décimo terceiro, especial) de menos de 30 minutos, porém tudo se desenrola de maneira tão pesada, envolvendo violência, pânico e bullying, que não consegui realizar este desejo. Demorei uma semana para assistir tudo – não sei se a curiosidade e ansiedade para assistir o próximo episódio no dia seguinte foi um ponto positivo ou negativo. Claro, a série tem alguns pontos negativos, mas nada que impeça uma recomendação.

ATENÇÃO: Se você não gosta de spoilers, pare de ler este texto por aqui e corra assistir à série. Caso não ligue, continue por sua própria conta e risco.

Tudo começa com o desaparecimento de Miho, a líder da Justiça Perfeita e de toda a sala de aula, sendo filha de um importante homem. Antes de desaparecer, ela havia ficado paraplégica, sendo presa em uma cadeira de rodas pelo resto da vida. Logo depois disso, suas amigas e todos da classe começaram a praticar bullying contra ela, levando-a a desaparecer. O que aconteceu? Quem começou o bullying? Quem foi a culpada pela paralisia?

Era noite de formatura quando as 11 garotas foram sequestradas. Todas culpadas de algo, mas cada uma com o seu ponto de vista e sua opinião sobre as outras 10. Aos poucos, elas descobrem que estão ali pois devem confessar seus erros e pedir perdão por eles. Mas quem as prendeu ali?

Enquanto se lembram dos acontecimentos e entram cada vez mais em desespero, uma a uma some, deixando sua cadeira vazia na sala de jantar assustadora. Mas para onde vão? E como somem, já que seus pés estão trancafiados, impedindo-as de levantar das cadeiras?

E onde aquela sala fica?

E por que elas?

E por que Miho sumiu? Ela está viva?

Todas ali acabam realmente contando a verdade?

Não se surpreenda caso o final não for revelado como você espera, e não me culpe pelo final aberto – para mim, o ponto decepcionante da série.