Livro: Por favor, Ignore Vera Dietz.

Autora:A.S King.

Editora:Novoséculo

Gênero: Ficção Adolescente.

Título Original: Please Ignore

Páginas: 288

Lançamento: 2015

Avaliação: (4.0)

 

Hey Leitores do Dragão Teimoso! Como vocês estão ? Bom espero que esteja tudo bem pois hoje é dia de resenha…. E o livro da vez é: Por favor, ignore Vera Dietz. Aqui estou eu usando a palavra ignore em uma frase: ”Ignore a Vera Dietz porém jamais faça o mesmo com este livro.”Bom! A capa é simples mas o conteúdo é chumbo em dobro provavelmente você vai gostar. E se você é fã do escritor John green, segura essa: Ele super recomenda a autora e seus livros.

A pessoa que deve ser ignorada é Vera Dietz, uma garota no auge da adolescência (17 anos) que acabou de perder o vizinho e amigo de infância, Charlie Kahn. A amizade de Charlie com Vera é muito bem desenvolvida e trabalhada durante o período que ele passa em vida(eles até mesmo constroem uma casa na árvore) mas nem tudo é pérolas. Cinco meses antes de Charlie morrer a amizade deles sofre um reviravolta e consequentemente os dois se distanciam. Nesse período Charlie aproveita para morrer deixando para trás Vera…. Uma Vera em luto…… Uma Vera que o odeia.

É admirável a maneira como A.S King consegue tratar, em poucas páginas, sobre temas sérios como Alcoolismo, sexo, drogas, abuso, agressão física, distúrbios psicológicos, tragédias familiares… Com leveza e simplicidade sem desvalorizar a seriedade da coisa mas também com cuidado para não deixá-la pesada demais.

O método que A.S King utiliza para contar a história de seus personagens não é inovador mas agrega um visual dinâmico e envolvente na trama. A alternância de narração, tempo e personagens, permite que os leitores conheçam as multiface da história narrada pela visão do garoto morto(Charlie), do lugar antes frequentado pelo garoto morto(o templo) pelo pai da garota que quer ser ignorada, e pela garota ignorada que narra 86% da história.

Vera Dietz trabalha no templo das pizzas como entregadora porque seu pai recusou-se a pagar uma faculdade para ela…. Desde os doze foi criada pelo pai. Seu pai, um ex-alcoólatra que virou contador, adora ioga, livros de autoajuda e economizar dinheiro. Querem saber sobre a mãe ? Bom! Sua mãe, uma ex-stripper que engravidou bem cedo, fugiu para Las Vegas com outro homem; Como já havia dito anteriormente…. A história é narrada de maneira peculiar pelo garoto morto(Charlie), o lugar que o garoto morto frequentava(o templo), O pai da garota que queria ser ignorada, e por último mas não menos importante, pela garota ignorada.

Os dramas familiares e a violência que vitimiza mulheres, também fazem parte do enredo de Charlie e Vera. Buscando manter-se afastado das brigas violentas constante entre os pais, o garoto Kahn começa a levar uma vida sem limites como se fosse uma válvula de escape da sua realidade.

Charlie e Vera compartilhavam dos mesmos segredos… A união entre os dois contribuía para que eles conseguissem lidar com a dura realidade. No entanto, Charlie troca sua amiga de infância por um novo círculo de amigos. Alguns boatos sobre Vera acaba afastado os dois. Até que Charlie morreu e Vera teve que seguir sua vida, sem ninguém para amar e odiar ao mesmo tempo. Sem nenhum amigo com quem desabafar.

Entretanto a morte de Charlie é apenas uma faísca entre tantas outras que encontraremos nesse barril de pólvora. Vera precisa se adaptar à vida sem o amigo e precisa se recuperar do vazio, do luto que Charlie causou. Precisa se refazer, ser recriar, se reconstruir e diante disso tudo ser ignorada. A necessidades de Vera de ser ignorada vem por conta do seu passado…. Ela não quer que ninguém descubra que sua mãe foi uma stripper.: A.SKing consegue criar uma narrativa extremamente tocante e reflexiva estabelecendo um paralelo entre ficção e realidade. Por favor, ignore Vera Dietz é o tipo de livro marcante que incita as pessoas a se questionarem sobre determinadas realidades e vai muito além ao de maneira ousada quebrar certos valores morais.

Rótulos: Certo ou Errado: Rótulos são mega chato…. Acho que A.SKing entende bem isso…. As pessoas erram e fazem coisas erradas pois são humanas e estão fadadas ao erro….. Ela não estabelece um limite entre o certo e o errado para seus personagens…. Aquilo que o antagonista faz o protagonista também faz e o isso não o torna pior, pelo contrário torna a personagem humana(Como o alcoolismo da Vera Dietz ou o tabagismo do Charlie). Acho que essa quebra de estigmas é o que tem de mais diferente no livro. Temas como violência doméstica, pedofilia, drogas e alcoolismo se encontram para mostrar que, mesmo que você esteja travando uma batalha consigo mesmo e receba conselhos constantes do próprio pai para não enxergar a vida dos outros, há certas coisas que não podemos ignorar quando podíamos fazer algo a respeito.

Nota 4; Bom! Dei essa nota porque em certos momentos o livro torna-se cansativo mas convenhamos não é todo mundo que consegue escrever um livro baseado na realidade com tantos detalhes… Gostei da obra mas tem certas cenas que foram pouco trabalhadas… Porém o tempo que não foi perdido com algumas cenas foi perdido com as emoções de alguns personagens…  Isso mesmo! A.sking consegue transmitir muito bem tudo isso. Tenho certeza de que esse livro vai incomodar muita gente.