O medo de Os Últimos Jedi  ser um novo Império Contra-Ataca foi deixado de lado.  O   Star Wars de Rian Johnson é o mais ousado da Saga!

O filme começa exatamente onde acabou seu antecessor, a resistência está evacuando o planeta D’Qar” e Rey (Daisy Ridley) está frente a frente com Luke Skywalker (Mark Hamill) para o seu treinamento Jedi em “Ahch-To”.

É muito interessante a maneira que é abordada a presença de Luke no filme, ele está desgastado, por todos os acontecimentos em sua vida, carrega um peso muito grande.  A rotina de Luke na ilha transmite muito bem a nova fase do personagem, deixando totalmente de lado a postura de um mestre Jedi para virar um eremita.

A relação de Luke e Rey é longe de ser uma relação de pai e filha e sim uma relação de mestre e aprendiz, o que deixa tudo muito natural durante todo o arco do treinamento. É importante que você acompanhe essas cenas não só com os olhos, fique atento e liberte sua mente para aproveitar dos ensinamentos.

A relação de Rey (Daisy Ridley) e Kylo Ren (Adam Driver) foi levada a um nível que jamais poderíamos esperar, nunca foi apresentado algo do tipo nos outros filmes da saga, é um dos momentos mais profundos do filme, todos esses momentos são enriquecidos com jogos de luzes, enquadramentos e ambientações que transmitem o conflito e sentimento dos personagens.

A “Primeira Ordem” ainda é um grande mistério que não fizeram questão de responder, não dá para saber da onde eles saíram, quem são, ou o que querem. A impressão é de que a “Primeira Ordem” é só um império desorganizado.

O arco envolvendo a “Resistência” é o mais problemático do filme, quando o filme intercala o treinamento de Rey (Daisy Ridley) com a “Side Quest” de Finn (John Boyega) e Rose  (Kelly Marie Tran), a sensação é terrível, você fica torcendo para que eles resolvam rapidamente o problema e assim voltar ao que realmente interessa.

Os pontos fortes da resistência são; o maior tempo de tela de Poe Dameron (Oscar Isaac) e a presença significativa de Leia Organa ( Carrie Fisher). A questão de Carrie Fisher ter falecido durante as gravações, não parece ter afetado o longa, uma decisão corajosa e que deixa uma ansiedade para saber como irão concluir o caminho de Leia no episódio IX.

Aqui vimos que JJ. Abram e Rian Johnson não compartilham das mesmas ideias. Esse foi um momento de eliminar o que não deu certo, os personagens; Supremo líder Snoke (Andy Serkis), Maz Kasnata (Lupita Nyong’o), e Capitã Phasma
Gwendoline Christie
 foram personagem polêmicos que pareciam desconexos em O Despertar da Força, o problema foi resolvido muito bem, o que levou a saga para um caminho que ninguém estava esperando.

No fim do episódio VII, muitas perguntas foram deixadas em aberto, bom… essas perguntas foram respondidas, mas de longe não era nada do que o público estava pensando, as respostas são simples e ao mesmo tempo profundas, o que fazem você refletir bastante.

Em Star Wars o Despertar da Força, tivemos muitos momentos de nostalgia, divertimento e fan service, já em Os últimos Jedi, temos um filme mais ousado, cheio de reviravoltas, e que vai contra a todas as teorias e especulações que estavam em volta do longa. A franquia foi renovada no episódio VIII e Já estamos ansiosos pelo episódio IX.

 

https://www.lascanecas.com.br/marca/las-canecas.html