Após mais de um ano de espera, finalmente chegamos ao fim de mais uma temporada de Rick and Morty, e neste ano, talvez tenha sido a temporada mais sombria de todas.

No primeiro episódio, que saiu com meses adiantado, tivemos quiça o melhor retorno de temporada de todos. A euforia foi tanta foi que, além de mandar um balde gigante para o criador da série, o McDonald’s decidiu oferecer em seu menu por um dia para quem quiser degustar do molho szechuan no dia 7 de outubro.

Neste primeiro episódio, os roteiristas já apresentam o conflito de Rick Sanchez que enfrentara consigo mesmo e em função dos outros a sua volta também, durante todos os capítulos que movem a história da série. Como existem infinitos universos e realidades, somos tudo é insignificante, ou seja, todos os acontecimentos, não importa se é uma eleição presidencial ou um divorcio é insignificante pois aquilo não irá afetar nada no universo.

Quando a temporada volta de fato com o segundo episódio, temos também o retorno das referencias ao que todos adoramos da cultura pop, com um episódio inteiro dedicado ao universo de Mad Max. Mas é um daqueles episódios muito bons que todos damos muita risadas, porém, a história que está sendo contada não é seguida. (aliás, temos poucos desses nesta temporada).

Nesta temporada vimos de uma maneira mais explorada a Beth, que passa por quase todos os episódios com um conflito interno, para tentar redescobrir quem ela é após a separação com o Jerry, além disso a série também buscou muito expor a relação mal resolvida que a Beth tem com Rick. Passamos por episódios como o da terapia e também o penúltimo do mundo que o Rick criou para sua filha quando ela era pequena, que parecem bobos mas apresentaram bem demais essas situações.

Um contexto diferente que a série explora de maneira que não havia feito antes, é um episódio em que a atenção sai das aventuras do Rock e Morty que acompanhamos e ele nos apresenta o que acontece com a reconstrução da cidadela dos Ricks e como acontece funcionamento dos poderes governamentais, empresariais e sociais da população construída ali.

No fim da temporada, temos como resultado dez episódios em que sua maioria fazem questionamentos sobre a insignificância do ser humano no universo, a ponto de fazer o próprio Rick dizer isso no último episódio em seu discurso para Beth contra o Jerry, mas a resposta que temos é a de que mesmo com todo essa carapuça que Rick Sanchez criou em volta de si, ele ainda se importa pelo menos com seu Morty e a Beth.