Opinião de segunda | La Casa de Papel



‘La Casa de Papel’ é uma série de origem espanhola, criada por Álex Pina para a Antena 3. Lançada em maio de 2017, a série rompeu as fronteiras tornando-se um fenômeno depois que a Netflix adquiriu os direitos de distribuição global.

Parecia uma história já familiar, um grupo de assaltantes com um plano mirabolante para um roubo em grande escala que os deixaria ricos por gerações. Bom… a grande diferença aqui são os personagens bem desenvolvidos que funcionam tanto sozinhos quanto em grupo.

Logo no primeiro episódio, os ladrões são apresentados com nomes de cidades famosas (Rio, Berlim, Moscou, Nairóbi, Tóquio, Denver, Helsinque e Oslo), isso faz com que você decore os nomes dos personagens rapidamente e fique curioso para saber a história por trás de cada um. No desenrolar da trama que usa a técnica narrativa de “flashbacks”, intercalado o momento do roubo e o passado dos personagens. É possível saber as motivações de cada um estar fazendo aquilo, a complexidade e personalidade de cada um dos integrantes.

Diferente de produções norte-americanas que apostam mais na ação, com muitos tiros, explosões e perseguições de carro, ‘La Casa de Papel’ aposta mais em trabalhar o drama dos personagens e as relações afetivas criada entre eles…deixado com uma cara mais de novela, esse estilo de contar a história faz com que você acabe “se apegando” aos bandidos, que tem uma postura mais de anarquistas do que de criminosos.

Mesmo a série sendo espanhola e a trama se passando na cidade de Madrid, é difícil se sentir naquele ambiente, a impressão é que você está vendo um filme americano em Washington D.C.. Talvez tenha sido uma estratégia para deixar a série mais globalizada.

‘Lá Casa de Papel’ reformula o gênero de “grande golpe” com personagens interessantes, momentos eletrizantes e um verdadeiro jogo de xadrez entre policiais e bandidos, onde cada peça movida por um oponente, já foi prevista pelo outro.

 

NOTA  3.5/5