Resenha | Elliot Allagash, o diário de um ex-perdedor, por Simon Rich



Com um texto descontraído, conhecemos melhor o mundo de Elliot Allagash, um adolescente mimado e rico – porém que não deixa a desejar. Engenhosamente mesquinho, ele faz o que for preciso para conseguir tudo o que deseja.

Como hobbie ele escolhe tornar melhor a vida de Seymour – um aluno da escola que será obrigado a frequentar por algum tempo (mas que não necessariamente acontecerá realmente em tempo integral).

Como se as pessoas fossem meros objetos de sua coleção, Elliot as molda e brinca com suas vidas, conseguindo sempre atingir seu objetivo tão almejado.

Nessa história improvável, somos levados a refletir sobre nossas próprias atitudes, família e sentimentos. O grande contraste entre os pais de Seymour e de Elliot nos mostra o que realmente é importante: a união da família, e não o montante de riquezas de pessoas que apenas compartilham o mesmo sobrenome.

Como um tapa na cara, a história se desenrola e o desfecho chega sem percebermos, dando fim a essa leitura confortável e ao mesmo tempo – se você pensar nas entrelinhas – um tanto quanto filosófica, que, com leveza e um pouco de humor, nos leva a entender que Simon Rich não quis apenas escrever um livro bobo sobre adolescentes bobos, mas sim criar algum tipo de metáfora da vida.