Cinema | A Forma da Água, vale a pena?



Um enredo simples, repleto de personagens caricatos em uma época conturbada e ao mesmo tempo charmosa. Esses elementos em conjunto com a mente peculiar de um diretor aficionado por monstros proporcionou um dos melhores filmes de 2017, ou 2018 para os brasileiros. A obra de Gulhermo del Toro aborda um romance, nada trivial, ambientado nos Estados Unidos da década de 60, e todos os conflitos e ideologias políticas da Guerra fria ficam em segundo plano para mostrar uma história mais mundana com uma pitada de fantasia.

A forma da água (The Shape of Water), pode ser considerado uma versão moderna, adulta e erótica de a bela e a fera, trazendo o amor proibido entre uma faxineira muda e um monstro capturado nos rios da Amazônia. De início é apresentado a protagonista Elisa que vive a sua rotina relativamente vazia, enquanto trabalha em um laboratório de pesquisas espaciais norte americano, até que em um dado momento ela percebe a vinda de um espécime para estudos, um monstro aquático com características humanoides. O desenrolar da trama gira em torno da relação entre estes personagens, e mesmo que ambos não tenham a capacidade de falar, as expressões e ações durante o filme criam uma química fortíssima, conduzindo a história muito bem e fazendo com que você se importe com o destino dos personagens.

 

O filme tem características bastante inclusivas, tanto por parte dos personagens coadjuvante como alguns atores, e a trama trabalha de forma bem lúdica questões sociais envolvendo, homofobia, racismo e xenofobia deixando uma reflexão bem atual para quem assiste.

Vale a pena um destaque a parte de Direção de Arte e direção de fotografia, que fizeram a mágica do filme acontecer, toda a ambientação enche os olhos, cada local parece ser trabalhado nos mínimos detalhes, alguns passando um ar de mistério, outros passam um sentimento mais nostálgico. E a característica visual mais forte, é design e a maquiagem do monstro, ela é trabalhada em um nível tão alto que, em algumas cenas você poderá pensar que esta criatura realmente pode existir.

A forma da água é um excelente filme, com uma identidade visual fortíssima, e mesmo com uma história simples ela ainda enche os olhos de quem assiste.